segunda-feira, 15 de julho de 2019

Palestra no Centro de Estudos Espírita Allan Kardec - Mossoró - RN




No próximo domingo, estaremos em Mossoró com os amigos do Centro de Estudos Espírita Allan Kardec. Todos convidados para mais uma confraternização do evangelho de Jesus.

Palestra no Centro Espírita Nova Vida.



O que é a Reforma Íntima?

A Reforma Íntima é um processo contínuo de auto conhecimento da nossa intimidade espiritual, modelando-nos progressivamente na vivência evangélica, em todos os sentidos da nossa existência. É a transformação do homem velho, carregado de tendências e erros seculares, no homem novo, atuante na implantação dos ensinamentos o Divino Mestre, dentro e fora de si.

Por que a Reforma Íntima?

Porque é o meio de nos libertarmos das imperfeições e de fazermos objetivamente o trabalho de burilamento dentro de nós, conduzindo-nos compativelmente com as aspirações que nos levam ao aprimoramento do nosso espírito.

Para que a Reforma Íntima?

Para transformar o homem e a partir dele, toda a humanidade, ainda tão distante das vivências evangélicas. Urge enfileirarmo-nos ao lado dos batalhadores das ultimas horas, pelos nossos testemunhos, respondendo aos apelos do Plano Espiritual e integrando-nos na preparação cíclica do Terceiro Milênio.

Extraído do manual Prático do Espírita

Essas e outras informações serão debatidas nessa palestra. Venha e traga toda a sua família. Entrada franca.

segunda-feira, 8 de julho de 2019

Palestra no Centro Espírita Nova Vida




Todo mundo passa por momentos de altos e baixos, por exemplo, a perda de um ente querido, doenças, dificuldades financeiras, etc. Como podemos lidar com sofrimentos como esses?

Jesus, em Mateus, cap. V, v. 5, disse:
“Bem-aventurados os que choram, pois que serão consolados.”
Como é possível alguém ser bem-aventurado, quando ainda chora?

O choro é causado pelo sofrimento, é muito difícil uma pessoa atingir a maioridade sem passar pelo sofrimento, Jesus ofereceu consolo para essas pessoas. E ainda, é possível reagir através de dois tipos de comportamentos: resignação e resistência.

De acordo com dicionário Aurélio, a palavra resignação é definida como “submissão paciente aos sofrimentos da vida”, já a palavra “resistência”, apresenta o seguinte significado: força que defende um organismo do desgaste de doença, cansaço, fome, etc. Com isso, pode-se concluir que a resignação diz respeito ao comportamento passivo,  e a resistência é um comportamento ativo, ou seja, que busca soluções para acabar ou diminuir o sofrimento.

O que o espiritismo diz sobre a dor?

De acordo com a doutrina espírita tanto a dor como o sofrimentos são passageiros | temporários. Sendo assim, eles podem ser melhorados por meio de mudanças de hábitos, ações e atitudes. E ainda, o espiritismo ensina que em nosso atual estágio evolutivo, temos a necessidade da dor e do sofrimento para que assim possamos progredir espiritualmente.

Diferenças da dor e sofrimento

O sofrimento está relacionado com a dor física ou moral. Segundo a doutrina, ele diz respeito ao modo pelos quais nos reequilibramos perante a harmonia divina, que tem como base a lei do amor. E como isso ocorre? Por meio da dor.

Na obra O Evangelho Segundo o Espiritismo, Allan Kardec, apresenta orientações sobre o sofrimento e suas causas anteriores.

Venha participar dessa palestra, convidamos a todos.

terça-feira, 2 de julho de 2019

Cronograma de Palestras - Julho 2019





Explicando o evangelho



Questões do Livro do Espíritos.

 814. Por que Deus concedeu a uns a riqueza e o poder e a outros, a miséria?

 815. Qual dessas duas provas é a mais perigosa para o homem: a da desgraça ou a da riqueza?

816. Se o rico sofre mais tentações, não dispõe também de mais meios para fazer o bem?

Estas e outras questões serão debatidas nesse explicando o evangelho. Venho e traga toda a sua família, entrada franca.

quarta-feira, 26 de junho de 2019

Explicando o Evangelho



Pilatos, tendo entrado de novo no palácio e feito vir Jesus à sua presença, perguntou-lhe: És o rei dos judeus? – Respondeu-lhe Jesus: Meu reino não é deste mundo. Se o meu reino fosse deste mundo, a minha gente houvera combatido para impedir que eu caísse nas mãos dos judeus; mas, o meu reino ainda não é aqui.

Disse-lhe então Pilatos: És, pois, rei? – Jesus lhe respondeu: Tu o dizes; sou rei; não nasci e não vim a este mundo senão para dar testemunho da verdade. Aquele que pertence à verdade escuta a minha voz. (S. JOÃO, 18:33, 36 e 37.)

Por essas palavras, Jesus claramente se refere à vida futura, que ele apresenta, em todas as circunstâncias, como a meta a que a Humanidade irá ter e como devendo constituir objeto das maiores preocupações do homem na Terra. Todas as suas máximas se reportam a esse grande princípio. Com efeito, sem a vida futura, nenhuma razão de ser teria a maior parte dos seus preceitos morais, donde vem que os que não creem na vida futura, imaginando que ele apenas falava na vida presente, não os compreendem, ou os consideram pueris.

Estas e outras informações serão debatidas nesse explicando o evangelho. Venha e traga toda a sua família. Entrada Franca. 

segunda-feira, 17 de junho de 2019

Palestra no Centro Espírita Nova Vida.




Na atualidade, há um grupo considerável de pessoas que ainda não descobriu o verdadeiro sentido da vida e, por consequência, vive por viver, sem qualquer meta moral, uns buscando incessantemente o prazer e o gozo, enquanto outros derrapam no conflito do vazio existencial, que procuram anestesiar com o uso de substâncias entorpecentes, quando não buscam o suicídio direto.

Com o objetivo de nos esclarecer sobre essa questão, o eminente codificador, Allan Kardec, indaga aos Espíritos superiores acerca do objetivo da encarnação e esses respondem que Deus a impõe com a finalidade de fazer a criatura humana chegar à perfeição (questão 132 de O livro dos Espíritos).

Dessa forma, passamos a entender que a vida no corpo tem um caráter educativo, visando o progresso intelecto-moral, mas como avaliar se temos efetivamente realizado esse crescimento espiritual?

Allan Kardec, revelando sua pedagogia incomparável, explora esse ponto ao perguntar, na questão 918 de O livro dos Espíritos, sobre os sinais pelos quais se pode aquilatar o progresso real.

Os nobres guias da Humanidade ensinam que o Espírito prova a sua elevação quando todos os atos de sua vida corpórea compõem a prática da lei de Deus e quando compreende, por antecipação, a vida espiritual.

A segunda parte da resposta refere-se ao progresso intelectual, que é mais fácil de ser concretizado, porquanto basta a leitura para que o aprendizado se faça quase que instantaneamente. As obras espíritas facilitam essa compreensão da vida espiritual, a nos induzir à prática da primeira parte da resposta, que diz respeito ao progresso moral.

Essas e outras informações serão debatidas nesta palestra. Venha e traga toda a sua família. 

terça-feira, 11 de junho de 2019

Palestra no Centro Espírita Nova Vida.



"Sois chamados a estar em contato com Espíritos de naturezas diferentes, de caracteres opostos: não choqueis a nenhum daqueles com quem estiverdes." Um Espirito Protetor, Bordéus, 1863, O Evangelho Segundo o Espiritismo, cap. XVII, item 10.

A unidade ALMA DE DEUS na sua obra - É o sistema regulador da ordem e da evolução, determinando a submissão da criação à Vontade Infalível, Soberana e Justa do Criador.

Unidade, porém, não deve ser confundida com igualdade de condições ou funções, mas de direitos. Ainda assim, os direitos que cada criatura herda do Pai estão submetidos aos Sábios Desígnios da Justiça, que disciplina o progresso evolutivo do ser.

O tronco divino das Leis Naturais cria a ordem e ramifica-se na diversidade por meio do direito humano de escolher seus caminhos. Alguns imperativos, porém, expressam com clareza indiscutível os estatutos a que todos renderão obediência. É assim que todos morrem, se reproduzem, melhoram, pensam, sentem, buscam Deus, retornam ao corpo físico...

Nessa colmeia galáctica, o amor é o fio condutor das diferenças humanas, sob a luz do qual todas as diferenças podem ser superadas, conquanto continuem a existir 

Ermance Dufaux.

Essas e outras questões, serão debatidas nesta palestra. Venha e traga toda a sua família. 

terça-feira, 4 de junho de 2019

Palestra no Centro Espírita Nova Vida.



“Escasseia, na atual conjuntura terrestre, o sentimento da compaixão. Habituando-se aos próprios problemas e aflições, o homem passa a não perceber os sofrimentos do seu próximo.

Mergulhado nas suas necessidades, fica alheio às do seu irmão, às vezes, resguardando-se numa couraça de indiferença, a fim de poupar-se a maior soma de dores.
Deixando de interessar-se pelos outros, estes esquecem-se dele, e a vida social não vai além das superficialidades imediatistas, insignificantes.

Empedernindo o sentimento da compaixão, a criatura avança para a impiedade e até para o crime. Olvida-se da gratidão aos pais e aos benfeitores, tornando-se de feitio soberbo, no qual a presunção domina com arbitrariedade.

Movimentando-se, na multidão, o indivíduo que foge da compaixão, distancia-se de todos, pensando e vivendo exclusivamente para o seu ego e para os seus. No entanto, sem um relacionamento salutar, que favorece a alegria e a amizade, os sentimentos se deterioram, e os objetivos da vida perdem a sua alta significação tornando-se mais estreitos e egotistas.

Cronograma de Palestras - Junho 2019.





segunda-feira, 27 de maio de 2019

Palestra no Centro Espírita Nova Vida.



Cap. 23 – DA OBSESSÃO

OBSESSÃO SIMPLES

FASCINAÇÃO

SUBJUGAÇÃO

CAUSAS DA OBSESSÃO

MEIOS DE COMBATÊ-LA

237. No número das dificuldades que a prática do Espiritismo apresenta é necessário colocar a da obsessão em primeira linha. Trata-se do domínio que alguns Espíritos podem adquirir sobre certas pessoas. São sempre os Espíritos inferiores que procuram dominar, pois os bons não exercem nenhum constrangimento. Os bons aconselham, combatem a influência dos maus, e se não os escutam preferem retirar-se. Os maus, pelo contrário, agarram-se aos que conseguem prender. Se chegarem a dominar alguém, identifica-se com o Espírito da vítima e a conduzem como se faz com uma criança.